MITOS E VERDADES SOBRE EPILEPSIA

Nós já vimos aqui que a epilepsia é uma síndrome neurológica que surge por conta de descargas elétricas excessivas que são recorrentes e geram

Nós já vimos aqui que a epilepsia é uma síndrome neurológica que surge por conta de descargas elétricas excessivas que são recorrentes e geram as crises epilépticas, como são conhecidas. Essas crises se manifestam de diversas formas, com sintomas motores, que são movimentos involuntários, perda de consciência súbita, sintomas autonômicos como suor excessivo e queda de pressão, entre outros.

O paciente que possui a patologia, além de ter que lidar com as manifestações da doença, também se vê envolto de preconceitos e estigmas que a cercam.

A história da epilepsia está cercada de desinformação, mas mais ainda de uma extensa literatura que busca desmistificá-la e trazer luz e cuidado para os pacientes que convivem com ela.

A seguir, esclareceremos alguns mitos e verdades que cercam a patologia.

1. Pacientes com epilepsia sofrem de doenças mentais – MITO

A epilepsia, como já adiantamos, é uma doença neurológica e que não está associada com doenças mentais. Pessoas com doenças mentais podem sofrer com a síndrome, mas as duas não estão diretamente ligadas.

2, Em crises epilépticas deve-se impedir que o paciente enrole a língua – MITO

Esse é um dos principais mitos que cercam a síndrome.

Não se deve tentar proteger a língua da pessoa em crise e muito menos inserir objetos para evitar que ela feche a boca, pois pode machucar quem está em crise e também quem a tenta ajudar.

A atitude correta em casos de crise é virar o paciente de lado, colocando um objeto bem macio abaixo da cabeça, evitando que se machuque, afrouxar as roupas e desabotoar os botões também ajuda.

Lembre-se: crises que duram mais de cinco minutos devem ser vistas como emergência médica. Neste caso, busque por ajuda chamando uma ambulância.

3. Toda convulsão é uma crise epiléptica – MITO

Nem toda convulsão está ligada à epilepsia. Para ser considerado crise epiléptica é preciso que haja repetidas crises em um período maior que 24 horas entre elas. O correto é que o paciente receba avaliação médica para entender a causa da convulsão e o melhor tratamento.

4. Pessoas em crise podem continuar conscientes – VERDADE

As crises podem se apresentar de diferentes maneiras, nem todas estão ligadas ao desligamento da consciência. Há pessoas que se mostram “normais”, mas, em crises, não têm controle sobre seus atos. A crise, muitas vezes, é mais traumática para quem a assiste do que propriamente para quem a vivência.

5. Existem medicamentos que controlam as crises – VERDADE

Sim, pessoas com a síndrome podem viver normalmente caso sigam corretamente o tratamento com medicamento, podendo até serem consideradas curadas, para isso devem ficar dez anos sem crises e cinco anos sem uso de medicamentos anticonvulsionantes.

6. O estresse pode desencadear crises – VERDADE

O estresse é um dos fatores que pode contribuir para as crises. Além de desencadear, o estresse também colabora para problemas psicológicos em pessoas que convivem com epilepsia, pois o receio de entrar em crise pode fazer com que a pessoa deixe de praticar atividades como esportes, sair com os amigos, fazendo com que ela se isole e possa vir a apresentar problemas psicológicos.

A epilepsia é uma síndrome como qualquer outra, que deve ser tratada e acompanhada de perto, e não impede o portador de ter uma vida de qualidade.

E você, conhece alguém que ainda tem uma visão folclórica sobre epilepsia? Que tal enviar esse conteúdo para ela?

Voltar

Ver mais

    Assine nossa newsletter



    oi