Osteoartrite: Sintomas e gravidade

A osteoartrite é uma doença que pode afetar diferentes articulações do corpo e é causada principalmente por danos à cartilagem articular.

Quais sintomas a Osteoartrite produz? 

A osteoartrite é uma doença que pode afetar diferentes articulações do corpo e é causada principalmente por danos à cartilagem articular. Ela causa dor, rigidez, diminuição da mobilidade e alteração da qualidade de vida. 

  • O principal sintoma da osteoartrite é a dor desencadeada no início do movimento, mas que melhora com o passar do tempo. Os esforços físicos pioram a dor e o repouso melhora a dor. 

Na forma mais grave da osteoartrite, a pessoa sente dor aos menores esforços e dificulta muito nas atividades do dia-a-dia. 

  • Outro sintoma comum da osteoartrite é a rigidez (dificuldade para começar a movimentar) que ocorre geralmente após um período de repouso sentado ou deitado 
  • Quanto maior a dor e a rigidez, maior será a dificuldade para se movimentar e fazer as atividades do dia-a-dia. 
  • As deformidades, as perdas de flexibilidade e o inchaço nas articulações são outros sintomas presentes na osteoartrite. A fraqueza muscular também contribui para a gravidade da doença. 

 

A Osteoartrite pode ser de leve a grave 

É uma doença crônica que evolui de gravidade com o passar do tempo. Afeta a cartilagem articular, o osso e os tecidos ao redor da articulação acometida. 

Em fases mais leves o tratamento é mais fácil. Nas fases mais avançadas, pode precisar de infiltrações ou até cirurgias. 

 

Fases de deterioração da cartilagem  

Diferentes graus de osteoartrite são descritos dependendo da perda de mobilidade, dor e lesão articular observada nas radiografias: 

 

GRAU 1: LEVÍSSIMO. Os pacientes tem alterações muito leves na articulação mas não sentem dor. Pode ter alguma crepitação ou desconforto. Em algumas ocasiões, percebe-se algum desconforto, diante de algum movimento ou exercício repentino. Se isso motivar a consulta e o médico suspeitar, um diagnóstico muito precoce pode ser feito. Nesse grau, o tratamento é feito com medicamentos anti-inflamatório de ação lenta, mudanças de hábitos de vida com melhorar alimentação, perda de peso e atividade física. 

GRAU 2: LEVE. Neste estágio, pode haver dor leve, especialmente quando se está em repouso por longos períodos, ao levantar cargas ou fazer exercícios. A cartilagem ainda tem um tamanho saudável, mas há lesão dela. Se o médico detectar osteoartrite nesta fase inicial, é mais fácil tratar a doença com o tratamento farmacológico adequado alinhado com um plano de exercícios físicos e alimentação saudável. 

GRAU 3: MODERADA. Nesse grau, pode haver dor mais intensa nas atividades habituais. Nesse grau há erosão da superfície da cartilagem e sua lesão reduz o espaço entre os ossos. Há uma inflamação das articulações.  

Causa dor ao caminhar, correr, curvar-se ou alongar-se. O médico pode prescrever diferentes medicamentos para aliviar a dor e tratar a osteoartrite.  

GRAU 4: GRAVE. Neste ponto da doença, a cartilagem é quase inexistente e o espaço articular entre os ossos é bastante reduzido e as articulações tornam-se rígidas. Há inflamação crônica e pode haver dor forte. A dor pode surgir ao realizar qualquer tarefa diária, como caminhar e descer escadas. Nestes casos, a cirurgia de reparo ósseo (prótese) e a reabilitação podem ser necessárias; ela pode levar algumas semanas para recuperação e requer consistência para restaurar a mobilidade. 

 

Conclusão 

A osteoartrite pode causar dor, rigidez e perda de mobilidade na articulação afetada.  

A osteoartrite apresenta diferentes estágios evolutivos que apresentam maior sofrimento ao avançar neles.  

A consulta e o diagnóstico precoce serão fundamentais para interromper ou retardar sua evolução.  

Existem tratamentos para que os sintomas da osteoartrite sejam amenizados, permitindo ao paciente obter uma melhor qualidade de vida. 

Referências Bibliográficas:

– Martel-Pelletier J, Barr AJ, Cicuttini FM, et al. Osteoarthritis. Nat Rev Dis Primers. 2016;2:16072. – Abramoff B, Caldera FE. Osteoarthritis: Pathology, Diagnosis, and Treatment Options. Med Clin North Am. 2020;104(2):293-311. – Sacitharan PK. Ageing and Osteoarthritis. Subcell Biochem. 2019;91:123-159. – Hawker GA, Stewart L, French MR, et al. Understanding the pain experience in hip and knee osteoarthritis–an OARSI/OMERACT initiative. Osteoarthritis Cartilage 2008; 16:415. – Zhang W, Doherty M, Peat G, et al. EULAR evidence-based recommendations for the diagnosis of knee osteoarthritis. Ann Rheum Dis. 2010;69:483. – Cibere J, Zhang H, Thorne A, et al. Association of clinical findings with pre-radiographic and radiographic knee osteoarthritis in a population-based study. Arthritis Care Res. (Hoboken) 2010; 62:1691.

Voltar

Ver mais

    Assine nossa newsletter



    oi