Pandemia e osteoartrite

A pandemia que nos atinge alterou nossa normalidade como a conhecíamos. Ela foi causada por um novo coronavírus.

COVID-19 

A pandemia que nos atinge alterou nossa normalidade como a conhecíamos. Ela foi causada por um novo coronavírus, denominado SARS-CoV-2, que produz a doença COVID-19 que se espalhou pelo mundo causando uma pandemia.   

A COVID-19 produz febre, comprometimento dos pulmões, fadiga, dores musculares e inflamações em vários órgãos. É contagiosa e pode ser grave em algumas pessoas. 

A vacinação ajuda o sistema imunológico a se preparar quando a pessoa tiver contato com o vírus. Mas como estamos vendo novas mutações no vírus, a COVID-19 será uma doença que nos acompanhará no futuro. 

A pandemia e as medidas sanitárias adotadas desequilibraram os cuidados com outras doenças que as pessoas já sofriam ou que apareceram depois da COVID-19. 

Entre as doenças que a população costuma sofrer e que estão sendo afetadas pela pandemia, destaca-se a osteoartrite, antigamente chamada de artrose. 

 

Osteoartrite  

  • Afeta toda a articulação, ou seja, a cartilagem articular (o tecido que fica entre as extremidades do osso), os ossos, os ligamentos e os músculos.  
  • Pode causar dor, rigidez e incapacidade funcional. A dor, que é o principal sintoma, é desencadeada por movimentos.  
  • Ela pode se desenvolver em qualquer articulação, mas especialmente nos joelhos, mãos, quadris e coluna vertebral.  
  • Existem fatores de risco como idade, mulheres têm mais chances de ter osteoartrite do que homens, obesidade, falta de exercícios físicos, sobrecargas articulares ou alterações posturais.  
  • Com a chegada da menopausa, os sintomas da osteoartrite tornam-se mais frequentes. 

 

Tratamento não farmacológico da osteoartrite 

Os tratamentos não farmacológicos recomendado são: exercícios físicos alinhado com fortalecimento muscular, alimentação saudável e cuidados com o peso corporal (principalmente nos pacientes com sobrepeso ou obesidade) e com a alimentação em geral. 

Exercícios físicos como tai chi, pilates e ioga melhoram a força e resistência muscular e a função articular em pacientes com osteoartrite. 

 

As diferentes sociedades médicas que estudam a osteoartrite recomendam a realização de exercícios com a maior frequência possível, independentemente da idade, da presença de outras doenças, da dor e da incapacidade do paciente. A atividade física deve ser adaptada a cada uma dessas características do paciente. 

RECOMENDAÇÕES para pacientes com OSTEOARTRITE em tempos de isolamento social: 

  • Mantenha-se ativo com exercícios físicos em casa ou perto de casa;  
  • Mantenha o peso ou perca peso para melhorar a inflamação do corpo e reduzir a dor e limitação da osteoartrite;  
  • Alimente-se com comida saudável rica em frutas, verduras e legumes. Recomenda-se o uso de suplemento alimentar que ajude na osteoartrite;  
  • Durma bem, no mínimo 8 horas diárias;  
  • Tenha um local de trabalho confortável, arejado e com luz adequada; 
  • Siga as orientações dos seus médicos e profissionais de saúde para ajustar seus tratamentos; 
  • Faça teleatendimento para acompanhamento regular da sua saúde e se necessário, vá em consulta presencial;  
  • Mantenha uma atitude positiva. 

Referências Bibliográficas:

Mobaisheri A. COVID-19, Osteoarthritis and Women´s Health. Case Reports in Women´s Health 2020;27:e00207

Voltar

Ver mais

    Assine nossa newsletter



    oi